30 de mai de 2009

Doce Paranóia.

Eu não faço mais nada além de caminhar descalço e ver minha meia branca mudar de cor. Um tempo ruim, cheguei em casa, doce paranóia. Parece que tudo voltou ao seu lugar. Correção. Minhas dores de cabeça estão cada vez mais presentes, minha face diante do espelho me sufoca. Quem eu sou, o que sou? Rejeição. Sempre pensei ter aquele ar de misterioso, sendo de fato um tanto interessante, porém o meu interesse não passou da introdução. The End Has No End. Eu não leio, eu não estudo, eu não faço parte do que pensei fazer parte. Um bando de gente, a gente ainda vai fazer sucesso. Escreva um livro, conte suas aventuras. Aumente um bocado, o exagero faz fama, por isso nunca pensei em ser famoso.

23 de mai de 2009

Correções...

Tenho tocado uma música com um acorde só e sem a mínima emoção. Acho que foi assim que apelidaram a depressão. Não que me sinta depressivo ao ponto de fazer coisas estúpidas e vegetar sentado em minha cama. Tenho meus momentos assim, mas na maior parte, me sinto bem. Eu não falhei, sabia disso. Aquele filme me fez viajar, vi que posso me controlar e sentir o vento bater mais forte. Fechei a porta por um instante, mas a abri segundos mais tarde. Estava frio e isso me fez colocar o meu mesmo casaco de todas as noites. Acendi os Beatles e queimei mais um daqueles que estão chegando ao fim.

16 de mai de 2009

Em surto, agarre seu Donuts e seja feliz.

Um jardim de picles depois que vi um fio cortante atravessar o pescoço daquela árvore caduca.
Eu sinto que o meu "sexto-sentido" está aguçado e os meus casos e acasos impressionam a mim mesmo.
Eu não sabia que tinham essas coisas por aqui, nem sabia que podia voar.
Peguei minha mochila e violão, fui pro parque. O sol batia em meu rosto e o vento corria por entre minha camisa.Sábado passado, sem memórias, sem histórias, sem você. Outra vez.