24 de ago de 2009

Não me encontro diante de tantos rostos indiscretos.

Porque tudo tem de ser assim, pateticamente inconstante? Eu sei que as duas pílulas que tomei não me fizeram mal, a dor vem do coração. Não sei quantas batalhas mais irei suportar, me parece que esta guerra nunca terá o seu fim. Eu tento me manter intocável, procurando algum rastro de proteção por entre minhas mãos ou até mesmo a minha velha e suja camisa. Não tenho inspiração, as palavras me fogem quando busco algo sensato a dizer. Eu não estou em minha verdadeira forma, não tenho amigos, não tenho ombros aos quais possa livrar o peso que sufoca a minha alma. Ontem eu estava bem, hoje não há mais nada aqui que me faça seguir em frente, que me faça de fato, aceitar quem eu sou. Esse teatro todo não se resume a atores e ensaios simplesmente decorados. É a vida de verdade. O Teatro Mágico, o Teatro dos Vampiros ou somente "O Teatro". Segunda-feira uma nova rotina começa, daquelas que podem mudar minha vida para sempre. Só espero que meu medo me libere e possa voltar a voar.

Um comentário:

Liih Souza disse...

O teatro que passamos, se direito de ensaios, erros ou voltas...

Atualizei meu blog, e espero vc por lá.
PS: Obg por escrever aportuguesado =)
Saudades imeeensas de falar com vc por msn.
Precisamos de boas doses disso!
Beijos