10 de fev de 2012

Floresta Negra


Aquele projeto desgraçado acabou consumindo quase metade do meu dia. No instante em que fechei a porta, ouvi risadas. Sim, ocasionalmente escuto vozes. Será que estou recuperando o meu brilho ou essa lâmpada realmente ilumina meu quarto de uma forma diferente? Como você pode ter a impressão de que estou sempre bem? Férias de três dias ou final-de-semana? Tudo bem, não faz diferença mesmo. Às vezes, amor não é o suficiente. Foi assim que consegui escapar da insanidade e dar outro rumo à minha vida. Meu casaco repousa sobre a cadeira, ouço roupas girando dentro da máquina de lavar. Não vejo nada e, ao mesmo tempo, objetos decoram um novo horizonte. Porém, já o conhecia desde a época em que construía castelos de areia. Coitados, as intensas ondas sempre os engoliam. Chorei. Minhas lágrimas eram tão salgadas quanto a água do mar. Eu não sou responsável por essa tormenta contínua. Sou inocente, eu juro. Agora, faz sentido.

2 comentários:

carol disse...

Voce é muito bom nas suas expressões e em seu jeito de escrever e descrever o que e como se sente, incrivel, axo voce a pessoa mais inteligente e incrivel:) Parabens

Katrina disse...

Ninguém é inocente