28 de mai de 2012

Feto

Eles estão por toda parte. Com seus neurônios danificados, furtam meus cigarros e me pedem esmolas como se fosse um parquímetro solidário. Acho que a causa daquele individualismo abstrato enfim faz sentido. Os vícios que criei vão desaparecendo aos poucos; porém, essa espera parece ser eterna e, consequentemente, me sinto impaciente. Rima tosca. Sou egoísta de pensar que pessoas comuns devem me fornecer atenção constantemente. Tropeço na calçada e derrubo o molho de chaves. Em questão de segundos, estou dentro do meu carro me questionando se tudo isso valeu a pena. Sinceramente, o título de herói nunca me convenceu. Não me agradeça por coisas que nunca fiz, pois sou um ser-humano capaz de mutações horripilantes. Após escrever essa frase, percebi o exagero e soltei um leve sorriso. O que posso fazer se adoro hipérboles?

Nenhum comentário: