21 de mar de 2011

Dois Lucas Espositos


Após o jantar, me lembrei dos cogumelos. É impressionante o quanto minha memória é fraca. Muitos a consideram um defeito, porém eu a considero uma de minhas virtudes. Poder esquecer tudo o que passei e, o pouco que me lembro se resume à desfoques. A única coisa fora do normal naquela noite foi a luz verde que enxerguei quando fechei meus olhos pela manhã. Três voltas de carro no quarteirão, bêbado. Quando estacionei, a chave não saiu do contato. Desespero. "Será que vou ter que dormir no banco do motorista? Eu saí pra comprar apenas um maço de cigarro; a Licor Store ainda estava aberta, eu juro". Desculpas esfarrapadas, mas difícil mesmo era esconder o sorriso que, há muito tempo se escondia por trás de minha barba. Encontrei-me de novo, abraçei os travesseiros e me dei conta de que não havia ninguém ao meu lado. Só pra constar, adorei ter tocado violão contigo.

Um comentário:

Natalia Campos disse...

Criativo em cada palavra. Tu escreve bem. Beijos.