17 de fev de 2011

As Quatro Estações

Mais uma patética manhã cercada por cobertores e um vento gelado. Por aqui, tudo sobre controle. Estou certo de que, em breve, vou comer todas aquelas tangerinas. O horário de repouso já não tem tanta importância pois "eles" sempre me acordam antes das oito anyway. Estou criando o hábito de atirar roupas e toalhas sobre o tapete do meu quarto. Meus olhos miram o teto com a esperança de que, um dia, o peso de uma casa de três andares caia sobre mim. Quando fechei meus olhos à noite passada, a secadora ainda gritava por socorro. Tenho vivenciado pesadelos aos quais me recordo pela manhã e esqueço antes mesmo do sol se pôr. Memória nunca foi o meu forte.

Um comentário:

Tata disse...

e porque essa bad? mimimi ):