27 de fev de 2011

Uma nação sem nome

Após acordar de uma das piores noites de sua vida, Mr Lewis abriu a janela e acendeu um charuto. O sol queimava seus olhos enquanto observava caminhões de carga e pessoas que pareciam formigas. Nada era muito real, à não ser o cheiro de fumaça que vinha do apartamento ao lado. Sentia fome, mas sabia que qualquer coisa que ingerisse seria jogada para fora de seu estômago segundos depois. Ao invés de três refeições, sofrera três soluços. Fechou a janela e caminhou em direção à porta para mais uma caminhada matinal. Era como se tudo se movesse em câmera lenta e, mesmo assim, nada era tão simples de se acompanhar. Mr Lewis era apenas mais um espectador em uma cidade sem ouvidos.

Nenhum comentário: